segunda-feira, 10 de abril de 2017

Convescote

Convescote é um "piquenique; refeição ou passeio que se realiza em local aberto, onde cada pessoa se responsabiliza por um tipo de comida, dividindo sua refeição com o restante dos participantes".

A ideia de piquenique traz consigo a escolha de um lugar aprazível para viver momentos agradáveis de convivência e contemplação. Numa viagem, seja em área urbana ou rural, sempre tem um local aprazível para um piquenique. 

Ring of Kerry, Irlanda, 2007


Em algumas viagens, entretanto, tem lugares de extrema beleza, que tiram o fôlego do viajante e "exige" um ato de contemplação mais solene. Rs




Para  estes momentos, vale a pena levar no cantinho da mala uma bolsa térmica, um saca-rolha e mais alguns utensílios para um convescote. A Irlanda, o país verde, é um desses lugares, Quanto maior a beleza, do lugar, mais intenso o momento e prazeroso o convescote !





Cliffs of Moher, Irlanda, 2015


segunda-feira, 27 de março de 2017

Não, a gente não sabe...

 Não, a gente não sabe...
✔ que ama o Acre.
✔ que o nome da capital Rio Branco se deve ao papel decisivo do Barão do Rio Branco na conquista do território acreano.
✔ que Rio Branco é banhada pelo Rio Acre, que ainda é pequeno, porque ainda vai se juntar com o Rio Purus, pra depois de juntar ao Solimões, pra depois, ao encontrar o Rio Negro, se tornar o Rio Amazonas.
✔ que Rio Branco tem uma zona de livre comércio e fica a pouco mais de 200 km da
 fronteira boliviana (Cobija), onde há um pólo de compras de produtos estrangeiros.
✔ que o povo acreano tem um espírito forte e orgulhoso e canta o belo Hino do Estado em qualquer evento público.
✔ que a bandeira do Estado do Acre tem as cores verde e amarela e uma "estrela altaneira" vermelha.
Resultado de imagem para acre bandeira
✔ que Rio Branco é ponto de acesso rodoviário  a Cuzco e Machu Pichu, no Peru.
✔ que o território do Acre também tem geoglifos visíveis de vistas aéreas, a exemplo dos famosos do território peruano.
Resultado de imagem para acre geoglifos
✔ que em Rio Branco tem passeios de balão sobre a Selva Amazônica e arredores da cidade.

✔ que o Estado do Acre é uma grande planície, com 80% do seu território de floresta preservada e que as políticas públicas buscam o desenvolvimento em equilíbrio com a preservação ambiental.

✔ que o Estado do Acre mantém programa de convênio com o Estado da Califórnia para venda de créditos de carbono para financiamento do desenvolvimento local.
✔ que o Estado do Acre tem iniciativas setoriais do Poder Público que são modelo para as outras unidades da Federação.
✔ que a carne produzida no Acre é de excelente  qualidade e que lá se come deliciosos churrascos.
✔ que é forte a influência árabe na história da cidade e que em Rio Branco a culinária árabe é abundante e saborosa.
✔ que tudo o que eu mencionei não tem relação com o estereótipo que se costuma ter de "terra de índios", mas que o Acre tem mesmo várias aldeias indígenas preservadas e acessíveis a visitas turísticas.
✔ que o povo acreano é gentil  e hospitaleiro e muita gente veio de outros Estados para lá se radicar.
✔ que depois de passar um tempo no Acre se sente um aperto no peito ao deixá-lo.
✔ que o Acre faz parte da casa da gente, só a gente não costuma frequentá-lo.
✔ que a gente ama o Acre assim, mesmo sem saber.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O Outro Lado do Mundo II - Reino das Águas Claras

Ao redor desse planeta,  a par das mais variadas paisagens aéreas e terrestres,  há todo um universo de belezas ímpares que descansam no silêncio das profundezas aquáticas.
A nós,  seres humanos,  que não somos dotados de guelras ou outro mecanismo que nos permita sobreviver submergidos, nos resta breves visitas,  paramentados com algo que nos garanta o retorno seguro.
Eu já havia me deslumbrado com a vida e cores marinhas,  há muitos anos atrás, quando estive em Fernando de Noronha.  Então,  quando surgiu a  oportunidade de ir à Austrália,  animou-me a possibilidade de conhecer a "Great Barrier Reef".
A Grande Barreira de Corais é o maior ser vivo do planeta e suas dimensões permitem que ela seja vista até do espaço. Ela fica situada na costa leste da Austrália e é acessível através de passeios de barco, na sua maioria,  partidos de Cairns.


Os barcos são amplos, confortáveis e seguros. Como o passeio dura o dia inteiro, incluem no preço do ingresso uma  boa refeição de almoço, além do equipamento de snorkel para mergulho. Roupas de proteção são alugadas à parte  e o seu uso é recomendável.


Quando chega o momento dos mergulhos ( são dois mergulhos em pontos distintos),  nós não estamos preparados pra o que veremos a seguir.

Somos recebidos por inúmeros peixes, dos mais variados tamanhos e cores.  Mas somente depois do deslumbramento inicial,  conseguimos enxergar o tesouro ainda mais valioso,  que descansa mais abaixo,  no solo do relevo oceânico.


Os corais australianos variam de forma,  cor e tamanho.  Parecem uma pequena floresta colorida e em constante movimento.  O movimento das águas faz com que as pequenas árvores e arbustos se movam como em uma dança exaustivamente ensaiada.  Depois de um tempo observando com o silêncio mudo a nos tampar os ouvidos,  fui capaz de ouvir uma trilha sonora buscada nos arquivos da minha imaginação.  A música que ouvia era da trilha sonora de Blue, um  filme querido sobre mergulho que vi há muitos anos atrás.




 Este post não vai ter fotos da Grande Barreira de Corais, Não as tirei. Se tivesse tirado, não refletiria a grandiosidade do que há lá para ser visto. As imagens, eu as trago na lembrança e na saudade daqueles raros momentos em que vivi e fui maravilhosamente bem recebida no Reino das Águas Claras.





segunda-feira, 8 de agosto de 2016

O Preço de uma Paixão

Acordei hoje ainda com uma "ressaca"  da noite de ontem.  Apesar de ter chegado em casa à uma hora da manhã, sem jantar e com as pernas latejando de cansaço,  tô com a impressão de que vivi uma daquelas noites difíceis de serem superadas.
Eu estava lá na área dos atletas quando me deparei com BB,  como eu chamo carinhosamente o Boris Becker. Foi incrível estar tão pertinho dessa lenda viva do tênis.  A emoção foi muito além de colegar com o Ferrer suadinho. É amor desinteressado.  Rs
E onde há fumaça... Eu estava lá quando os Murray estavam se aquecendo e entraram pra perder da dupla brasileira e quando Djocko e Del Potro entraram pra fazer o jogo bombástico da primeira rodada. Tudo isso já tinha sido enormemente empolgante,  mas a noite foi coroada com a designação para fazer o acesso de uma área em que os outros atletas podem assistir o jogo na quadra central.

A torcida brasileira era Djockovic e os argentinos estavam em peso apoiando o compatriota Del Potro. Às vezes o clima lembrava a de clássico no Maracanã.
Do jogo eu não preciso falar,  mas ter visto o rosto deles em cada reação, ter presenciado de tão perto a confiança do Del Potro aumentando e a incredulidade do Djocko se avolumando,  ter sentido o contraste das emoções deles no final do jogo e ter testemunhado a nobreza do abraço que o Djocko deu no adversário para depois não conseguir controlar o choro sentido...  fez da noite de ontem meu nirvana do tênis.

 Superou a emoção que tive ao assistir a final do Federer e Djocko em Indian Wells, quando achei que nada me motivaria  mais do que aquilo.
Quando abri os olhos hoje,  meu pensamento foi de uma gratidão sem fim.  Algumas pessoas não entendem porque eu me ofereci pra trabalhar de graça.  Na verdade,  desde  o primeiro dia,  apesar de todo o desgaste, não me arrependo nenhum minuto desse voluntariado.  Esse é o trabalho mais bem pago do mundo!!

domingo, 31 de julho de 2016

Uma Longa Viagem


A maioria das viagens nascem duma centelha, um desejo não consciente, uma ideia ainda carente de forma.
Certa feita, em casa, assistindo o encerramento das olimpíadas de Londres, deslumbrou-me a homenagem aos voluntários, que colaboraram na realização daqueles jogos. Lembrando-me que os próximos jogos seriam no Brasil, desejei integrar o corpo de voluntários da Rio2016.
Assim como todo desejo, aquele  me deixou alerta para o momento que, ainda em 2014, foram abertas as inscrições para o voluntariado dos jogos olímpicos. Desde então, essa tem sido uma longa viagem, que começou com formulários e prosseguiu com testes, cursos, dinâmicas e avaliações.
Desde o primeiro momento, manifestei meu desejo maior de participar dos jogos de tênis, meu esporte preferido. Na semana do meu aniversário deste ano, recebo de presente a minha carta convite para ser assistente do local de competição no Centro Olímpico de Tênis.
Ao invés de parecer uma reta de chegada, aí que a verdadeira viagem começou: aceitação do convite, da escala proposta, cursos on line e presencial.
A ida ao Rio, para o curso presencial, incluiu o agendamento para o credenciamento e a retirada dos uniformes. Foi especial chegar à cidade e percebê-la se aprontando para o grande evento. Já se reconhece as inovações nas áreas de estruturas viárias, acolhimento de turistas e opções culturais e de entretenimento.
Entrar no Centro Olímpico pela primeira vez e ver os últimos ajustes para que as atividades tenham início fez lembrar alguém se aprontando para uma grande festa: o cuidado na apresentação, com o sentimento de antecipação da emoção de fazer parte dela.
Entrar na quadra central do Centro Olímpico de Tênis foi ver que o sonho estava se tornando realidade e se deslumbrar com a beleza que não encontrou paralelo nem mesmo na imaginação.
Retirar as credenciais e os uniformes possibilitou o encontro com os demais voluntários e o reconhecimento neles das próprias emoções, fazendo surgir um sentimento profundo de inclusão na recém criada família olímpica.
O momento agora é de expectativa. Os preparativos foram feitos, a casa está arrumada e os convidados estão pra chegar. Apesar de todo o caminho percorrido, a sensação é de que agora é que a viagem vai começar!!!








sexta-feira, 24 de junho de 2016

Contos dos Cantos do Mundo V - Os baobás


Os baobás são originários da África ( a maioria das suas espécies). Essas árvores gigantescas, que sobrevivem em ambientes muito áridos, tem uma capacidade incrível de armazenar em seu tronco até 120.000 litros de água!

Há várias lendas a respeito dos baobás, sua ancestralidade e sua história. Umas delas é a de que o formato de seus galhos representariam o sofrimento do povo africano, como braços estendidos para os céus, clamando pela piedade divina.

Mas a mais bonitinha conta que o  baobá teria sido a primeira árvore que Deus criou, ao lado de um lago. Quando Deus ia criando árvore de outras espécies, o Baobá olhava através do reflexo no lago e questionava cheio de inveja:

- Porque aquela árvore tem as folhas amarelas e eu não tenho?

Deus respondia que ele tinha sido o primeiro a ser criado e, por isso, era o mais querido, mas o baobá continuava a questionar e reclamar do que não tinha. Então, Deus teria se enfurecido e virado o Baobá de cabeça para baixo. O que ficou pra cima teriam sido as raízes e a cabeça do Baobá enterrada no chão.


Dizem que por isso as pessoas ficam embaixo do Baobá, a escutar seus conselhos. Ela seria a árvore mais antiga e todas as histórias do mundo estariam contidas no Baobá.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

BAIRRO ALTO Astral

Um viajante coleciona lugares onde ele se sente em casa. Isso acontece quando ele não precisa mais de mapas ou indicações para se achar. Basta a vontade de ir ou ficar.



O Bairro Alto de Lisboa tem gosto de casa. Daquelas que a gente não sabia a saudade que sentia até chegar lá de novo. Nos seus séculos de história cabe direitinho o recém chegado que vem de mansinho.



TEMPO - O tempo do Bairro Alto não corre. Lá não há grandes hotéis, mega lojas ou amplos restaurantes. O seu único superlativo é a vida noturna, mas ainda ela se desenrola através de microcosmos de alegria.

O jeito de lá viver não combina com a pressa. "O apressado apanha os acontecimentos antes de esses se definirem e serem claros. Por isso, o apressado age mal. Encontra-se com o destino antes do tempo. Encontra-se com a infância do destino e não com o destino já maduro."*

No Bairro Alto há "poemas seguros em cordas de pendurar roupas... Seria interessante poder verificar-se a consistência dos poemas como se faz com o pão. Tocar um poema como no pão para ver se está no ponto certo". No Bairro Alto, portanto, "o paladar está inclinado para a poesia",*

ASTRAL - No alto daquela colina há uma alegria calma por todo lado.



"Não apenas o ar... é oxigênio melhorado... É, por isso, de outro nível, é um oxigênio que balança entre o divertido e o surpreendente; um oxigênio traquina, quase infantil. Eis, pois, a atmosfera, o ar que se instala acima do solo"* no Bairro Alto, quando ali se flana a admirar os bucólicos jardins...





 os atraentes mercadinhos e cafés...





 os instigantes nomes de ruas e dizeres anônimos...




 ou ao voltar para sua pensão e  achar o seu pijama divertidamente arrumado a te esperar!



É por esse astral elevado, por essa tranquilidade repousante, por essa familiaridade cativante, que se deixa o Bairro Alto com um sorriso nos lábios, inspirado pela certeza de que a alma  fez uma boa visita  ao lar.


*Às vezes alguém traduz melhor em palavras os nossos sentimentos do que somos capazes.
Os trechos transcritos foram escritos por Gonçalo M. Tavares, a respeito de uma outra cidade, na Revista Up de maio/2016, mas serviram como luva para dar voz às minhas próprias impressões. Não foi eu que escrevi, mas quisera eu que tivesse sido!